Silenciar não é emudecer. Só ando um pouco cansada e irritadiça, daí fico um pouco mais quieta para não magoar ninguém… E ainda esta demanda emocional o tempo todo. Mas eu me predispus a esta vida. Ontem eu dei uma faxina em casa à noite. A chuva fez um estrago estrondoso na cidade e eu limpava as coisas do lado de dentro como quem poda as árvores que se atiram desistentes. Tenho muita tristeza por estas árvores que desistem de seus galhos e abrem um abismo no caminho: não abrem o caminho, abrem uma ferida na estrada. Mas limpei as coisas com fúria na tentativa de amenizar a aspereza de dizer coisas. Havia apenas um monólogo interno. Meus pensamentos desarrumados. Só uma sensação posta em ação. Tirar a sujeira da vida prática enquanto o imundo do fundo do copo se agita. E todas as palavras estavam amarrotadas, arrancadas das garrafas lançadas ao mar…


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.