Onde começam os problemas?

Atibaia, 27 de janeiro de 2015. 
Ouvindo Norah Jones, “Good Morning”

Dia desses, estava no aniversário de uma amiga e conversava com um amigo sobre as fases de desenvolvimento de nossos filhos. O dele, que já fez um ano, começou a fazer birras e testar limites dos pais. Benício ainda tem 6 meses, mas gosto de conversar e observar filhos mais velhos para saber o que me espera e, assim, me preparar psicologicamente. 
Ainda sobre o mesmo assunto, ele me dizia que estava lendo o livro “Crianças Francesas Não Fazem Manha”. Eu, inclusive, também tenho este livro, mas confesso que não li ainda. Depois de devorar “A Encantadora de Bebês”, descobri que a verdade é que não existem regras porque cada filho é um. A observação diária e tentativa de comunicação com meu filho em um processo quase simbiótico é o que me traz paz e tranquilidade. Como disse, cada um é um. 
Já escrevi tempos atrás sobre a minha decisão de abrir mão de minha carreira, decisão esta acordada com o meu marido depois de discutirmos os benefícios do afeto materno para as crianças em seus primeiros dois anos (especialmente) e também por não ter encontrado um berçário que atendesse os padrões mínimos esperados. 
Tive sorte. Além dos meus quatro meses de licença-maternidade, tive ainda mais dois meses de licença não remunerada. Nem todas as empresas são tão amigáveis a acordos como este. Ainda assim, se eu voltasse a trabalhar, Benício não teria nem um semestre completo e percebi que não estaria em paz em terceirizar os momentos únicos de sua vida como o nascimento do primeiro dente, a primeira papinha, a primeira palavra, o início do ‘engatinhar’. Mas, repito, só consegui isso porque meu marido consegue segurar as pontas nas contas de casa. Infelizmente não é sempre que isso acontece. 
Então, como neste dia citamos crianças francesas em nossa conversa, fui procurar como funciona a licença-maternidade na França. Por lei, funciona como aqui: 16 semanas com salários pagos. A GRANDE diferença é que existem mais duas opções vantajosas. Mães ou PAIS podem optar pelo congé parental. Esta licença pode ser utilizada até os 3 anos da criança e, ao optar por isso, não se perde o emprego. Ao término, há o direito de retorno ao trabalho com o mesmo cargo e valor de seu último salário recebido. Detalhe: no período de vigência, apesar de não estar recebendo o salário, existe uma ajuda do governo. 
Existe, ainda, a possibilidade das mães optarem por trabalho em tempo parcial: às quartas-feiras, dia em que as crianças não tem aula, elas também ficam em casa se dedicando aos filhos. Trabalham apenas segundas, terças, quintas e sextas-feiras. 
Um verdadeiro SONHO para aquelas que gostam/precisam trabalhar, mas que prezam pelo equilíbrio de estar envolvida com o crescimento dos pequenos.
Volto para nossa realidade. Além de um trabalho meio-período ser quase impossível, muitos são obrigados a colocar seus filhos em berçários que ‘cabem no orçamento’. Só que nestes locais, a grande maioria dos funcionários não possuem ensino superior, às vezes nem um curso de berçarista. Ouvi em uma das escolas que visitei que ‘não é obrigatório’. 
“Prôs” que não sorriram quando fui conhecer o espaço onde ficaria minha maior preciosidade. 
Locais sem os itens de segurança exigidos. 
Pequenas salas com 10 a 12 crianças para uma assistente, sentadas o dia todo em bebês-conforto, sem a sala especial com berço individual para o descanso de cada um. 
Tudo que inicio na vida, inicio também estudos. Apesar de contar com a intuição materna, estudei sobre principais doenças da infância, observação de sintomas, como ajudar no desenvolvimento de cada mês, o que esperar do meu filho nos primeiros anos de vida. Perto de voltar da licença, estudei o mínimo esperado que precisa ser observado ao escolher a creche do meu filho. As pessoas não buscam informações e, sem ter referência, acham que o ‘custo/benefício’ é bom. 
Ao mesmo tempo, para o empreendedor que precisa fazer seu estabelecimento valer a pena, o que importa é sempre aumentar o número de matriculados e – se possível – possuir mão-de-obra a baixo custo. 
E por aí vai… 
A minha conclusão é: se mães tivessem o respaldo do governo de estar com seu filho pelo menos até o primeiro ano de idade, ela teria maior base emocional e, consequentemente, passaria uma melhor base emocional para seu filho. Ele é ou não é o futuro? 
Mas ainda estamos longe de viver em uma sociedade que preze isso. 
É um desequilíbrio generalizado. As pessoas não tem tempo de pensar em suas emoções porque precisam cumprir metas e prazos em suas grandes empresas. E ai daqueles funcionários que saem no horário pré estabelecido quando foi contratado: ele vira um “folgado”. 
É um ciclo que não acaba. 
Não sei onde começa e nem onde termina. 
Só mesmo com criatividade e muito empreendedorismo para estas ‘mães-porreta’ conseguirem estar bem emocionalmente perto dos seus pitocos e, assim, conseguirem produzir com criatividade. Embora o cansaço seja absurdo, a exaustão seja seu sobrenome, sua consciência está tranquila: ela está fazendo a diferença no mundo, começando pelo seu meio. 
Que Deus abençoe a todas as mães!

E que cada uma ache o seu jeitinho especial de dedicar tempo de qualidade para criar uma memória afetiva positiva na vida de seus filhos.

Meu beijo,
L. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.