A dor.

Atibaia, 1º de Abril de 2021.

Ouvindo “Como uma onda” – Lulu Santos

No meio de minhas andanças e das ferramentas literárias que sempre busco para atravessar momentos mais desafiadores na vida, encontrei este texto de Ana Jácomo. Lindo. Certeiro.

Que o tempo cure tudo, amém!

A gente não imagina ser capaz de sentir tanta dor até sentir. Até ser duramente ferido. Até machucar o jeito desprevenido de estar no mundo. Os passos de algodão. O olhar inocente. O sorriso espontâneo. O sonho mais bonito. A gente não imagina até se tornar especialista em congelar sentimentos por medo de doer mais. Até conhecer a desconfiança. Até desconhecer o próprio idioma. Até aprender, por defesa, a esconder um pouco da própria dor na prateleira mais alta, lá onde a consciência não consegue alcançar.

A gente não imagina ser capaz de sentir tanta dor até temporariamente desaprender belezas. Como cantarolar pelas ruas, distraído. Encantar-se, de repente, com a Lua toda cheia. Ter ouvido bom para encontrar passarinho. Nutrir olhos que garimpam estrelas. A gente não imagina até se desacostumar com a alegria. Até se desentender com a própria fé. Até perder de vista a poesia. Até deixar de andar de mãos dadas com a vida.

A gente não imagina ser capaz de sentir tanta dor até sentir por períodos longos. Tão extensos, que bate a ideia de que é para sempre. Ouça bem: não é não.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.