Casa de vó

Encontrei em um caderno antigo este texto que escrevi em julho de 2018.
Escrevo para não esquecer os detalhes que vivo.
Escrevo para ser a guardiã das memórias.

Graças à Deus eu escrevo… assim consigo reviver dias extraordinariamente comuns, onde a nossa rotina de domingo em ir almoçar com a vovó e o vovô fazia nosso coração vibrar!

Vocês estão pra sempre no meu coração, Sogrinhos.

Saudade bateu forte hoje.


Atibaia, 29 de julho de 2018.

Ouvindo o som da TV de domingo.

Nós amamos o final de semana. Aprendemos a valorizar cada momento juntos porque o Lu trabalhava em redação, foram muitos, muitos, muitos fins de semana de saudade.

Sempre fui muito chatinha com programações; quando era folga dele, costumava planejar tudo! Não sei se pela alegria de passear com meu marido ou se era mesmo pelo perfil controlador que eu costumava ter.

O fato é que depois que meus filhos nasceram, tudo isso ficou para trás.
“Nada mais está sob controle” – essa foi uma das grandes lições da maternidade.

Quando chegam sábados e domingos, tudo que buscamos e desejamos é o poder da calma, viver sem pressa, ter o direito de deixar a preguiça tomar conta, esquecer que existe relógio, tentar ao máximo curtir cada segundo e faz parte desse ritual uma premissa: não ter planejamento.

Isso fez parte de um plano pessoal, para que eu aprendesse a ter menos expectativas e assim, evitar frustrações… fez parte da terapia! (♥)

Mas tem um momento do fim de semana que é quase sempre igual: todo domingo de manhã minha sogrinha liga para o Lu e nos chama para almoçar na casa dela.

E todo domingo vamos construindo boas memórias. Hoje mesmo, assim que chegamos, depois do beijo e do abraço dos avôs, a pergunta do Beni não mudou: – Vó, tem um docinho?

Normalmente já damos o almoço para eles antes de chegar lá, porque o ritual é sempre igual.

Depois de adoçarem a vida, Beni e Mimi pegaram o rastelo e a enxada que ganharam da avó para “arar” a terra, depois subiram para brincar de “fazer um bolo de chocolate”.

Enquanto isso, nos sentamos para almoçar. E hoje, o legítimo almoço de domingo: salada, macarronada, e frango com batatas.

O vô saiu antes da mesa para brincar com os netos; só ouvi os ritos dele quando percebemos que Beni e Mimi tinham feito mais uma molecagem: abriram a torneira e se encharcaram. Miguel, pisciano nato, gargalhava com a brincadeira.

“Vai trocar de roupa, moleque!” – escutamos o vô falar.

Tiramos a roupa molhada e deixamos o figura de fraldinha pra ir tomar sol e vitamina D para curar o resfriado.

De repente, entra Beni pela porta: – “Mãe, me dá água? Tô brincando de frescobol com o vovô.”

Com a sede cessada, voltou a brincar.

Terminamos de almoçar, comemos mexerica e depois fomos lavar a louça – outro momento clássico de conversa.

Senti o cheiro do bolo de fubá e pedi a receita pra minha Sogrinha.

“Anota aí, Li, é muito fácil” – ela disse:

♥ 1 copo de leite
♥ 1 ovo
♥ 1 copo de farinha de trigo
♥ 1 copo de fubá
♥ 1 copo de açúcar
♥ 1/2 copo de óleo
♥ 1 colher de fermento
♥ 1 punhado de erva-doce

Bate tudo no liquidificador e põe no forno por 30 minutinhos.

Aquele cheiro impregnado, na cozinha, coisas tão simples e tão cheias de significado!
Enquanto todos dormem e descansam, sei o que virá depois: aquele aroma de café, bolinho de fubá e todos reunidos na mesa novamente.

Que Deus nos permita viver muito mais domingos assim, dias perfeitos em sua simplicidade.

Meu beijo,
L.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.