Publicado em Casamento, Coragem, Desafios, Desafios do casal, Desafios do casamento, Emoção, Escolhas da vida, Família, Gratidão, Transformação

Qual a parte que me faltava?

Atibaia, 19 de março de 2018.

Ouvindo “Nó” – O Terno [Ouça você também! Adoro esta música!]

 

Este blog vai ficar extenso… é que era pra ele ter saído na semana passada, mas na hora de colocar os meninos pra dormir às 20h30, fui junto e só acordei no dia seguinte.

Três semanas atrás, fomos em família ao mercado no sábado, por volta de 19h. Normalmente fazemos isso aos domingos, mas não naquele final de semana.

Chegando lá nos deparamos com várias turmas e casais escolhendo as bebidas e carnes para o churrasco na casa dos amigos, e eu francamente só conseguia pensar: “que tempo bom!”

Lembrei do início do namoro, de como tudo é maravilhoso quando estamos apaixonados, como temos disposição, olhos brilhando. Por mais que a calmaria do amor seja um sentimento bom, às vezes sinto falta da espontaneidade e da cegueira positiva que sofremos nesta fase da relação.

Tive vontade de dizer àquelas pessoas que aproveitassem aquela fase da vida; eu só pensava em tomar um pileque e ficar com a cabeça leve, mas voltei pra órbita quando ouvi “mamãe, mamãe”.

Percebi que depois deste dia, os próximos foram esquisitos. Existem fases da vida que se tornam chatas; são muitos compromissos, responsabilidade, filhos exigindo mais que o normal, trabalho com demandas infinitas, passagens chatas do casamento.

Lembro que não parava de ouvir a música “Índios” do Legião que dizia “no meu vício de insistir nessa saudade que eu sinto de tudo que eu ainda não vi… tentei chorar e não consegui…” 

E também teve… “e nesses dias tão estranhos fica a poeira se escondendo pelos cantos…”

E por ouvir Legião, eu me lembrei do escoteiro. Lembrei da minha adolescência. Das amizades. Tentei acessar pessoas daquela época pra ver se meu coração se acalmava, se eu me reencontrava, me resgatava. Foi estranho. Sofri quando percebi que tudo que vivi ficou no passado e que hoje nada mais é e nem será igual.

As pessoas de antes não são mais as pessoas de hoje. Tem vezes que me sinto um pouco ingênua demais em tentar manter certos sentimentos que um dia me fizeram bem; esqueço que algumas coisas na vida para darem certo precisam efetivamente de algo chamado re.ci.pro.ci.da.de.

É difícil isso acontecer comigo, mas diante de tanto ‘sentir’, entendi que era hora de me recolher.

Percebi que eu estava fugindo. Que eu queria acessar alguma outra versão de mim mesma que não esposa e nem mãe. Esses dois papeis me exigem muita responsabilidade… eu não queria mais ser tão responsável.

Já aconteceu com vocês?

Às vezes eu entro em colapso, especialmente quando meu casamento passa por situações estranhas. Não é culpa de ninguém, mas quando percebemos, somos soterrados pelo cotidiano, pelo dia a dia maçante, pela falta de cuidado, pela exaustão.

E aí eu sempre tento relembrar quantas já fui, quantas sou, quantas ainda serei.

Eu estava era com saudade de mim mesma. De não sentir cobranças. De viver com liberdade e tempo para fazer o que eu quisesse. Ler a hora que eu quisesse. Escrever a hora que eu quisesse. Assistir a programas de decoração e moda. Ver filmes adoráveis, sem interrupções, com calma. Ficar na rede. Caminhar tranquila. Sair, simplesmente.

Quando a vida entra nesta energia densa, eu normalmente me recupero fácil. Desta vez foi mais difícil. A gente tem que encarar nossos monstros internos, repensar o que tem nos deixado tão infelizes, sermos o mais transparente possível conosco – e com quem vive com a gente -, aceitar e acolher nossas fragilidades, lembrar que somos humanos e esperar que os dias passem para nos trazer de volta.

Era um sentimento ambíguo.
Sentia falta da Lillian do passado – livre – sem reconhecer a Lillian do presente – que enxerga beleza em tudo.

Depois de falar muito comigo mesma, as coisas começaram a se ajustar. Primeiro, em mim – depois, no outro.

Quem diria que uma simples ida ao mercado seria o estopim de mais um destes tantos momentos mais desafiadores da vida?

Quando a vida dá um nó
Não adianta sentir dó
De si mesmo

Há uma chance de um novo começo
Um tempo bom pra fazer diferente
A gente pensa que sabe da gente
Mas nunca é tarde pra abrir nossa mente

O sol voltou pra esquentar sua vida
Há um olá depois da despedida
Depois de tudo que você chorou
Lavou a alma e encontrou o amor

Passou, passou.

metamorfose

Meu beijo,
L.

Publicado em Desafios do casal, Desafios do casamento, Escolhas da vida, Família, Filhos, Maternidade real, Mãe de dois, Mães, Transformação

Vai ficando cada vez melhor…

27 de fevereiro de 2017.

Ouvindo “Um dia após o outro” – Tiago Iorc {meu favorito do momento!}

Eu me lembro quando estava grávida de meu primeiro filho; durante toda a gestação, ouvi conselhos até mesmo sem pedir. Todos eles sempre giravam em torno de dificuldades, normalmente relacionadas ao sono, a um afastamento temporário no relacionamento, a mudanças internas e também na solidão inicial e novo rol de amigos. Ficava brava com essas pessoas que só me alertavam sobre as dificuldades mas não amaciavam isso com o lado bom da maternidade. Dizia ao Lu: ‘quanto pessimismo em torno de uma nova vida!’
Até que um belo dia um casal de amigos finalmente nos disse: “dá trabalho, mas vai ficando cada vez melhor!”
Meu primogênito então, nasceu. Enfim eu me tornava mãe. O tempo foi passando e eu finalmente entendi cada um dos conselhos que me haviam sido dados. A verdade é que ali não se instalava qualquer tipo de pessimismo e sim, a realidade, a vida como ela é.
Todavia, aquele casal amigo que apesar de tudo sempre enxergava o copo meio cheio não me saía da cabeça: “vai ficando cada vez melhor”.
Tenho absoluta certeza que é este realmente o fluxo para ganharmos fôlego e assim, querer continuar.
Vai ficando cada vez melhor porque, aos 2 meses, no intenso, profundo e único período do puerpério, seu filho começa a sorrir pra você;
Vai ficando cada vez melhor porque, aos 4 meses, ele começa a virar pra lá e pra cá e a interação  entre vocês começa a ficar mais gostosa;
Vai ficando cada vez melhor porque, aos 6 meses, ele começa a sentar e suas costas, a agradecer;
Vai ficando cada vez melhor porque, a partir de então, logo ele começa a engatinhar e a ter um pouquinho mais de liberdade e você, de fôlego;
Vai ficando cada vez melhor porque, de repente, seu filho está andando pra lá e pra cá, desbravando e explorando;

Vai ficando cada vez melhor porque, um belo dia, inesperadamente, você vai ganhar um abraço e ouvir o ‘eu te amo’ mais sincero da sua vida.

E olha que meu primogênito tem apenas 2 anos e meio. Fico imaginando o que vem pela frente!

É claro que tudo realmente mudou, se transformou: a exaustão pelas noites mal dormidas está presente; o afastamento temporário do meu marido acontece pelas tantas e tantas demandas imediatas de nossos filhos, exigindo tanto ou quase tudo de nós; na mudança do rol de amigos também rolou um ‘checked’ e a transformação interna, então, esta veio vestida de realidade escrachada desde quando peguei meu filho no colo pela primeira vez. Porém, ela foi sempre muito edificante e única, sendo possível unicamente através desta vivência da maternidade e da paternidade.

Tem uma frase de Artur da Távola que eu gosto demais e que levo pra minha vida. É uma de minhas frases preferidas. Assim ele escreveu:  Eis a felicidade possível: compreender que construir a vida é renunciar a pedaços da felicidade para não renunciar ao sonho da felicidade.”

Minha família é e sempre será meu sonho da felicidade.
E é por isso que vai ficando cada vez melhor… ❤

Meu beijo,
L.

Publicado em Casamento, Desafios do casamento, Emoção, Escolhas da vida, Experiência, Família, Férias, Filhos, Maternidade real, Mãe de dois, Mães, Pais e filhos, Simplicidade

A primeira viagem de nós quatro – Texto de 21.06.2016

Atibaia, 21 de junho de 2016.

Ouvindo “Dia Especial”- Tiago Iorc.

Desde o começo do ano esperava pelo final de semana passado. Pensei com muito amor e carinho sobre como seria a comemoração do primeiro aniversário de casamento sendo pai e mãe de dois filhos, além dos quase 2 anos do Beni e também do primeiro trimestre completo do Miguel.

Eram muitos os motivos para celebrar a vida e a dádiva de ter uma família! Vibrei com uma intensidade infinita que todos nós estivéssemos com saúde e disposição para curtir o quanto possível este respiro da vida cotidiana, sempre tão insana.

São Bento do Sapucaí foi a cidade escolhida e a Pousada do Quilombo para a estadia.

Benício chegou querendo fazer amizade e jogando beijos para os tios e tias no restaurante da pousada; enquanto esperávamos pela pizza do jantar, a missão dele era convencer alguém a levá-lo até a sala da lareira ou ver o olhar de aprovação sobre a vontade incessante que ele tinha em sair correndo e subir e descer incansavelmente as escadas de lá. Quando viu que nem com toda simpatia conseguiria, iniciou a famosa birra. Tratamos de comer a pizza rapidinho porque tem horas que doutrinar é muito cansativo e nós não queríamos iniciar a viagem com ele chorando. Depois de comer pedaços da pizza de abobrinha, eis que surge “a visão”. Quando Benício vê uma criança, ele se transforma. Quer interagir de qualquer maneira! – e é muito gostoso de se ver, diga-se de passagem. A menininha, chamada Maria Vitória, ou Mavi, era uma fofura!! Ele quis chamar a atenção dela – como se chamando-a para brincar – e saiu correndo pelo corredor como um foguete; calculou mal o espaço, meteu a cara na cadeira, caiu, chorou por meio minuto, beijou a própria mão e passou na testa para se “auto sarar”, chamou a cadeira de boba, mostrou a língua e sorriu de novo para Mavi, que a esta altura já estava tranquila na mesa com os pais assistindo a “Pepa” em seu tablet. Mesmo chegando perto dela e olhando a telinha, o negócio dele era mesmo conseguir subir as escadas sozinho. Êita sapequice cansativa! É porque eu, como mãe, sempre imagino os perigos, enquanto ele só enxerga desafios a serem vencidos. Pois bem. Na hora de ir para o quarto, ele finalmente conseguiu o que queria! As palmas e o sorriso dele ao chegar do outro lado da escada foi impagável – e passou rápido a empolgação, porque ele logo já enxergou outras coisas para brincar e se desafiar.

Estava uma noite fria, então resolvemos acender a lareira. Para ajudar o pai, Benício ficou de longe soprando para fazer fogo – sem que ninguém o tivesse ensinado – e depois apontava para a lareira e para nós e dizia “enti” e “dodói”, querendo dizer que ali era muito quente e poderia fazer dodói. É quase poético quando a criança reproduz aquilo que acabamos de ensinar, mas só consigo pensar nesta beleza agora, porque logo depois desta quase frase, ele já começou a ficar inquieto por ter que ficar preso no quarto e tratou de arrumar outras coisas para fazer: pegou o telefone e discou para a “titia”, falando “alô, alô”, mas não de modo quieto. Era mais legal falar “alô” tentando subir no criado mudo para alcançar o objetivo de se jogar na cama. “Benício, vai machucar, filho. Fica quietinho um pouquinho” – repeti no mínimo umas trezentas vezes – sem sucesso. Depois de muito pular na cama, reconhecer o território, finalmente adormeceu. Miguel conseguiu dormir em seguida, já que com o irmão tão animado ficou difícil fechar os olhos antes – rs.

No dia seguinte, acordamos e troca um, troca outro – estamos saindo – um faz cocô, troca de novo e uma hora e meia depois, conseguimos! – “Vamos correr, está terminando a hora do café!”

O dia estava maravilhoso, um céu de brigadeiro e o restaurante tinha uma vista espetacular para as montanhas – e também para o parquinho que levava a uma ponte bamba e bem alta. Sentamos. Peguei goiaba, manga, pão e bolo para o Beni e não durou 10 minutos para a birra começar, porque o desafio da vez era sair correndo para ir não ao parquinho, mas atravessar a ponte e de preferência sozinho. – “Benício, Benício, vamos comer, filho. Precisa comer pra ficar forte e saudável igual ao dinossauro que você adora!”

– “Ã, ã, ã, ali, ali, ali, mamãe, mamãe, ali, mamãe, ali, ã, ã, ã, buáááááááááááááááááááá”

Nessas horas eu me lembro da professora Leila me dizendo que o desafio não é meditar quando existe silêncio e o momento colabora, mas sim quando presenciamos especialmente um momento de caos.

Respiro fundo, conto até trezentos e para não ver mais olhares de reprovação, vou até o parque com ele. – “No parque, porque tenho medo de altura e na ponte você só vai com o papai.”

Vinte minutos depois, o Lu chegou e fui finalmente tomar meu café. Ufa! Silêncio e uma vista linda de presente! Pensei em como a natureza é linda!

Estando todos alimentados e depois de Beni ter ido na ponte e querer descer correndo a área de paralelepípedos só pra ficar mais emocionante, encontramos um lugar plano para brincar, correr, jogar bola, tomar sol, nos divertir. Mas ali perto tinha um barranco. Meu filho aventureiro queria era ficar ali, na beiradinha, só pra ver o que poderia acontecer. Deusinho nunca foi tão solicitado para me dar paciência quanto neste dia!

A brincadeira durou cerca de duas horas e começou a choradeira. Miguel com fome e Beni com sono. Fomos correndo para o quarto e algum tempo depois, os dois dormiram simultaneamente.

Olhei para o Lu e depois do “ufa!”, eu disse: “Finalmente! Vamos tomar nosso vinho?”

Quando solteiros, tudo era diferente: o local escolhido era sempre o que não aceitava crianças, afinal, são realmente desagradáveis os ataques de birra e sempre queríamos privacidade total. O dia era todo tomado para passeios na cidade, ofurôs e massagens e a noite, para a lareira, o foundue e um vinho pra terminar a noite meio breacos, com aquela sensação gostosa que o álcool na medida traz. Uma completa despreocupação e “cabeça leve”.

Maaaas… estávamos comemorando nosso aniversário de casamento e agora temos dois filhos, ou seja, muita coisa mudou – senão tudo! Então, a regra é dançar conforme a música. Nós, enfim, tivemos nossa hora e meia de sossego, risada, uma garrafa de vinho vazia e a dúvida: sobre o que falávamos quando não tínhamos filhos?

Decidimos tentar ser mais criativos no assunto na próxima vez.

Os meninos acordaram, almoçamos em paz, passeamos mais um pouco e o fim de tarde chegava. Com previsão de muito frio, ficamos quietinhos (quando digo quietinhos entende-se juntos em um só ambiente, porque meu filho curioso de quase 2 anos ainda não sabe o que essa palavra significa) e 20h30 os dois finalmente dormiram. Pedimos nosso jantar no quarto, o Lu foi fazer massagem e eu fiz o que eu mais amo fazer quando sobra tempo: DORMIR. A alegria de deitar às 21h00 é realmente impagável, porque sei que, ainda que eu tenha o sono interrompido, o saldo final será positivo e eu acordarei bem humorada e descansada.

Dia seguinte, antes da birra começar, nos dividimos para ficar com os meninos e tomar um café gostoso e contemplador. Beni quis andar de bicicleta com o pai enquanto eu fiquei passeando com Miguel. E assim, seguimos a rotina do dia. Horas depois, respeitando a hora do soninho vespertino dos dois, eu e o Lu conseguimos almoçar na varanda do quarto, curtindo o silêncio tão sagrado que traz tanta paz. Conversamos sobre aquela vista linda das montanhas, sobre o verde, sobre o quanto as pessoas daquela cidade deveriam viver por 200 anos, sobre a contemplação, sobre nossos sonhos e futuro. Lembramos como chegamos até ali, relembramos episódios engraçados e dramáticos da nossa relação e depois de longos abraços que muitas vezes são tão acolhedores e curadores, os meninos acordaram e era hora de ir embora.

Lembra que deixamos os meninos dormirem o soninho da tarde? Pois então! Descobrimos na raça o quanto isso pode nos custar na hora de retornar pra casa. Filhos descansados e querendo sair do carro para brincar, waze mandando para uma estrada ‘uó’ e choro incessante. Na próxima, lembraremos de ir embora na hora do soninho e a conversa despretensiosa acontecerá no carro mesmo, de mãos dadas – rs.

Resumo da ópera: se você aceita que uma viagem com seus filhos vai te trazer momentos incríveis e outros estressantes, você cria a realidade correta em sua mente. Se os dois dormirem ao mesmo tempo, encare como um baita bônus. Uma coisa que eu e o Lu já estamos craques é olhar para estes momentos como verdadeiros presentes.

Não dá pra dizer que viajar com eles é relaxante e um convite ao descanso, mas dá pra imaginar o quanto estes momentos em família são importantes para a construção dos vínculos duradouros, para o treinamento de sentimentos como a paciência e também, para testemunhar a alegria ingênua de uma criança ao ver um tronco de árvore no chão e já imaginar um cavalinho.

Eles nos ensinam tantas coisas!

Cansaço e amor. As duas grandes palavras que resumem esta experiência.

13435556_10209699161819607_4136749787227779789_n

Em breve, teremos a nossa próxima viagem, se Deus quiser!

L.

Publicado em bebê, Coragem, Desafios do casamento, Família, Filhos, Gratidão, Maternidade real, Mãe de dois, Mães, Pais e filhos

Os benditos 3 meses – Texto de 30.05.2016

Atibaia, 30 de maio de 2016.

Ouvindo “O Seu Olhar” – Seu Jorge

Oito dias atrás, foi mêsversário dos meus Pequenos Príncipes. Beni completou 1 ano e 10 meses e Guel finalmente completou seu primeiro trimestre de vida.

Eu já era mãe quando Miguel chegou. E foi impressionante o quanto fui/sou exigida de tantas e outras formas sendo mãe de dois. Lidar com um recém nascido é bem mais fácil quando já se sabe o que vem pela frente. O dia a dia é bem tranquilo e não há mais desespero com um choro mais forte ou o mais fraquinho, que indica a hora do sono.

A parte mais difícil sobre a chegada do Miguel foi lidar com emoções, especialmente as emoções do meu primogênito Benício.

Nestes três meses, vivi o que até agora foi o período máximo de exaustão. Noites maldormidas, filhos ficando doentes e exigindo colo, carinho e atenção redobrados, um dos períodos mais desgastantes no trabalho de meu marido e eu me sentindo impotente, sem saber o que fazer diante de tantas coisas que fogem ao controle.

Os “sinais” escondidos sempre me dizem: ‘acredita! tenha mais fé!’. E assim, vivendo um dia de cada vez, como se a ampulheta das 24 horas girasse a cada novo badalar da meia-noite, fomos seguindo, vivendo na exaustão temporária por ter dois bebês em casa com uma dinâmica totalmente diferente, mas também experimentando aqueles momentos mágicos únicos que nos renovam: as primeiras palavras do filho mais velho, os primeiros sorrisos e gargalhadas do filho mais novo, os abraços em família e nossos apertos na pequena grande cama de casal.

Não dá pra dizer que é o período mais fácil de minha vida, mas tenho preferido olhar com olhos de poesia cada pedido de colo e chamado de “mamãe” no meio da madrugada.

Meu único pedido ao Universo é que estejamos sempre cercados pela saúde. Para tudo, absolutamente TUDO se dá jeito na vida com saúde. O sono a gente recupera nos próximos anos… agora é hora de construir uma infância feliz e presente para nosso melhor legado: nossos filhos.

E que o ‘ENTREGO. CONFIO. ACEITO. AGRADEÇO.’ esteja cada vez mais presente e intrínseco em meus dias, meus pensamentos, meu caminhar…

Espalhamos o que somos. Simples assim.

Minha família é meu bem mais precioso ♥ Que venha a merecida onda zen…

escolher-alarme-casa_0

Dentro do círculo infinito da divina presença que me envolve inteiramente, afirmo: há uma só presença aqui, é a da Harmonia, que faz vibrar todos os corações de felicidade e alegria. Quem quer que aqui entre, sentirá as vibrações da Divina Harmonia. Há uma só presença aqui, é a do Amor. Deus é o Amor que envolve todos os seres num só sentimento de unidade. Este recinto está cheio da presença do Amor. No Amor eu vivo, me movo e existo. Quem quer que aqui entre, sentirá a pura e santa presença do Amor. Há uma só presença aqui, é a da Verdade. Tudo que aqui existe, tudo que aqui se fala, tudo que se pensa é a expressão da Verdade. Quem quer que aqui entre, sentirá a presença da Verdade. Há uma só presença aqui, é a da Justiça. A Justiça reina neste recinto. Todos os atos aqui praticados são regidos e inspirados pela Justiça. Quem quer que aqui entre, sentirá a presença da Justiça. Há uma só presença aqui, é a presença de Deus o Bem. Nenhum mal pode entrar aqui. Não há mal em Deus. Deus, o bem, reside aqui. Quem quer que aqui entre, sentirá a presença divina do Bem. Há uma só presença aqui, é a presença de Deus a Vida. Deus é a Vida essencial de todos os seres. É a Saúde do corpo e da mente. Quem quer que aqui entre, sentirá a divina presença da Vida e da Saúde. Há uma só presença aqui, é a presença de Deus a Prosperidade. Deus é Prosperidade, pois Ele faz tudo crescer e prosperar. Deus se expressa na Prosperidade de tudo o que aqui é empreendido em seu nome. Quem quer que aqui entre, sentirá a divina presença da Prosperidade e da Abundância. Pelo símbolo esotérico das Asas Divinas estou em vibração harmoniosa com as correntes universais da Sabedoria, do Poder e da Alegria. A presença da Divina Sabedoria manifesta-se aqui. A presença da Alegria Divina é profundamente sentida por todos os que aqui penetram. Na mais perfeita comunhão entre o meu Eu Inferior e o meu Eu Superior, que é Deus em mim, consagro este recinto a mais perfeita expressão de todas as qualidades divinas que há em mim e em todos os seres. As vibrações do meu pensamento são forças de Deus em mim, que aqui ficam armazenadas e daqui se irradiam para todos os seres, constituindo este lugar um centro de emissão e recepção de tudo o quanto é Bom, Alegre e Próspero.
Assim Seja!

Publicado em Casamento, Desafios, Desafios do casal, Desafios do casamento, Maternidade real

Dores e delícias de um casal com filhos.

Atibaia, 04 de dezembro de 2015

Ouvindo “Baby” – Bebel Gilberto

Hoje foi dia de fazer curva glicêmica. Não que seja um dos exames mais prazerosos do mundo, mas pelo menos ele me concede algumas horas de ócio e – veja só! – isso se torna um baita presente para quem é mãe.

Aproveitei para levar ao laboratório papel, caneta e um livro; senti-me ostentando em meio a todo o resto das pessoas que estavam totalmente voltados para seus próprios celulares e, devo confessar, como foi bom sentir esta sensação de “regressão”.

Bem, vamos ao que me levou a escrever a este post. 

Semana passada comecei uma grande ‘observação’; Benício segue crescendo de forma ativa e exigindo cada vez mais. Creio que a parte da infância mais difícil para muitos pais acabou de bater em nossa porta e isso não inclui apenas controlar gritos, birras e manhas. A verdade é que, na minha humilde opinião, a grande dificuldade está mesmo em encontrar a saída para que não aconteça a desconexão total do casal neste momento. 

Explico: parte desta ‘observação’ tem acontecido quando eu e Lu temos saído com Beni. Restaurantes se tornam cada vez mais escassos porque, primeiro, não dá mais pra ‘relaxar’ e nem pensar em ficar por muito tempo e, segundo, porque quando saímos acabamos sempre ficando mais sozinhos que se tivéssemos permanecido em casa, já que eu ou ele precisamos interagir integralmente com nosso filho que, de modo legítimo, está tentando descobrir o mundo a seu jeito e sempre acha o máximo ter oportunidade de explorar novos lugares – nem sempre permitidos, gerando muitos ‘nãos’ e, inevitavelmente, irritação. 

Por outro lado, em casa, com a energia do Pequeno praticamente inesgotável e a minha e do Lu na reserva há bastante tempo, vejo o estado de caos que toma conta: cômodos da casa parecendo que foram pegos por um furacão, a frustração por não conseguir esperar meu marido chegar do trabalho já cheirosa e renovada – aprendizado que veio da minha mãe – para a melhor parte de nosso dia, o momento com a família completa. 

É o que o Lu diz: “muitas vezes nos falta energia para o que de fato importa”. 

Se é bem verdade que filhos são a melhor coisa que podem acontecer na vida, também é verdade que muitos deles são mestres únicos que nos exigem diariamente um novo olhar sobre tudo que já havíamos aprendido até aqui a respeito de resignação, tolerância, paciência, flexibilidade e o principal, a resiliência. 

Então, nesta fase, digamos, mais ‘desafiadora’, as saídas vão dando lugar aos encontros cada vez mais caseiros com amigos, para que fiquemos mais a vontade e tranquilos em relação a Benício e sua rotina, além de nos proporcionar maior interação com os que ficaram. Sim, outra grande revelação da maternidade foi ter visto muitos de nossos amigos ficando para trás por conta deste filtro natural que infelizmente acontece. São mudanças grandes que não permitem mais que a vida seja a mesma e poucos são o que entendem e se adequam para que o esforço mútuo do encontro continue acontecendo… e assim, muitas vezes, nos sentimos sozinhos como indivíduos e precisamos reinventar amizades, sentimentos e praticar algo realmente difícil quando as coisas não dependem de nós: a aceitação. 

Às vezes, bate uma saudade grande de quando a preocupação era apenas decidir para onde ir à noite, sem precisar pensar em um local que tenha espaço kids, se é cedo ou tarde, se o tempo vai mudar e esfriar ou se terá comida apropriada para a fome de meu filho. 

Também sinto muita saudade da espontaneidade que existia dentro da minha relação; a maternidade acaba tornando tudo muito previsível, embora os momentos espontâneos sejam realmente uma surpresa. E é aí, nesses pequenos instantes escondidos na loucura diária, que sentimos a esperança e que, apesar dos desafios enfrentados, vamos dando conta do recado da forma como sempre dissemos que seria: juntos, de mãos dadas! 

Crescer nem sempre é fácil. O mundo adulto é exigente demais! 

A parte deliciosa disso tudo é olhar para Benício e ver em seu reflexo e em suas atitudes o quanto ele se sente criado em um ambiente de amor e tranquilidade e, por mais que em alguns momentos exista nostalgia e saudade, olhar para o presente e nos enxergar pessoas muito menos egoístas e pensando juntas por um bem comum é muito gratificante. É um sentimento de plenitude e loucura, porque apesar de todas as dificuldades, dos problemas enfrentados, se eu me pergunto se trocaria o meu cenário por algum outro a resposta é definitivamente não. 

Não que seja fácil; se o casal não estiver bem afinado, muita coisa pode realmente ir por água abaixo.

Por isso é tão importante o diálogo e um pedido extra do divino para que nos olhe e cuide de nossas decisões e atitudes sempre. “Orai e vigiai” todo o tempo. 

Em fevereiro, Miguelito chega para completar o quarteto e certamente nos apresentará mais uma série de situações onde a reflexão será obrigatória e um consenso definido. É nossa grande evolução: tentarmos ser melhores aos olhos de nossos pequenos para, assim, nos tornarmos melhores para o mundo como um todo. 

Só peço sempre serenidade e a que tenhamos sempre a certeza destas fases transitórias que são tão importantes para nosso próprio crescimento e que, como casal, sigamos unidos e nos cuidando mutuamente. 

Temos a vida pela frente para nos olharmos com olhar amoroso e ainda mais admirável por estarmos nos dedicando tão de corpo e alma para a realização de um de nossos grandes sonhos: sermos bons pais. Que Deus esteja sempre presente em nossas vidas e nos auxiliando nesta grande jornada.

“Baby, baby 
I know that’s the way…
(…) 
It’s time now to learn what I know
And what I don’t know
And what I don’t know
And what I don’t know”

Meu beijo, 

L.